quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Canais afribrancos

Num cantinho escuro da senzala
Um sinhô de botas abaixa as calças.
Açoita a ninfeta dos seios avantajados
Rasga-lhe seu único vestido de tecido caro...
Branco penetrável nos canais africanos
Filho de preto com branco,
Homem preso e liberto.
Legiões de mulas geradas em ventres pretos
Hoje são os ET’S do meio termo.

(Lidiane Ferreira - Enegrescência, 2013, p. 27)

Nenhum comentário:

Postar um comentário